Porque algumas espécies são chamadas de esportivas?

 

 

Você sabe porque algumas espécies são chamadas de esportivas? O que faz do Tucunaré, por exemplo, ser considerado esportivo?

São diversas as características que podem definir um peixe como esportivo, que pode habitar as águas doces e águas salgadas. s. Depois de fisgados podem saltar fora da água, tentar soltar- se do anzol, procurar os troncos submersos na tentativa de proteção; podem atacar as iscas com voracidade e agressividade. Ou seja, para serem considerados esportivos os peixes devem despertar o interesse do pescador ao tentar capturá- los, seja pela força bruta que tenha que empregar, ou mesmo pela astúcia ou técnica exigidas na sua captura.

A designação de “peixe esportivo” para uma determinada espécie depende ainda da região ou do País onde se encontra. O mesmo peixe pode ser considerado “esportivo” em alguns países e em outros não apresentar muito interesse aos pescadores. No entanto, existem casos unânimes como o tarpon ou camarapim (Megalops atlanticus), os peixes- de- bico oceânicos, como o marlim-azul (Makaira nigricans), o agulhão-de-vela (Istiophorus albicans), os atuns (Thunnus sp.),os salmonídeos, envolvendo as trutas e salmões (Oncorhynchus sp.), os tucunarés (Cichla sp.), os robalos (Centropomus sp.), e o black- bass (Micropterus salmoides).

 

Vamos ver por região quais as espécies mais esportivas!

 

Amazônia

AmazonasEm águas interiores da Amazônia brasileira, destacam- se peixes de interesse esportivo como tucunarés (Cichla sp.), cachorra-larga ou pirandirá (Hydrolycus scomberoides), bicudas (Boulengerella sp.), matrinxãs (Brycon sp.), apapás (Pellona sp.), tambaqui (Colossoma macropomum), piraíba (Brachyplatystoma sp.), surubim (Pseudoplatystoma fasciatum), caparari (Pseudoplatystoma tigrinum,Pacus mylossoma sp.e Myleus sp., piranhas (Pygocentrus nattereri) e Serrasalmus rhombeus, jaús (Zungaro sp.), pirarara (Phractocephalus hemioliopterus), trairão (Hoplias lacerdae), aruanãs (Osteoglossum sp.), entre outros. Estão distribuídos principalmente nos rios Negro, Uatumã, Madeira, Guaporé, Xingu, Araguaia, Tocantins, Nhamundá, Trombetas, São Benedito, Roosevelt, Tapajós e Rio Branco e outros tantos. Os tucunarés atualmente são enquadrados como game fish, atraindo turistas pescadores do mundo todo para a Amazônia.

 

Pantanal

pantanalOs peixes esportivos mais representativos da ictiofauna do Pantanal são: dourado (Salminus maxilosus), jaú (Zungaro sp.), pintado (Pseudoplatystoma corrunscans), barbado (Pinirampus pinirampu), pacu (Piaractus mesopotamicus), curimatá (Prochilodus lineatus), cachorra-facão (Hydrolycus armatus), cachara (Pseudoplatystoma fasciatum, Juropensen sourubin lima, jurupoca (Hemisorubim platyrhynchos), piraputanga (Bricopn hilarii), piauçu (Leporinus macrocephalus), mandubé (Ageneiosus brevifilis), piau-três-pintas (Leporinus friderici), piracanjuba (Brycon orbignyanos), piapara (Leporinus obtusidens), entre outros.

 

 

Marinhos

Peixe-Anchova-2A região costeira brasileira possui cerca de 8.000 km, estendendo-se desde o Cabo Orange, no Amapá, até Chuí, no Rio Grande do Sul. Essa extensa faixa litorânea apresenta distintos ecossistemas como manguezais, baías, praias, costões, parcéis, ilhas e mar aberto onde se realiza a pesca oceânica. O litoral brasileiro apresenta grande diversidade de peixes de interesse para a pesca amadora, como: Anchova Pomatotous saltator, atuns (Thunnus sp., badejo (Mycteroperca sp.), bagre-marinho (Bagre marinus), bijupira (Rachycetron canadum), Xarelete (Caranx crysos), caranha (Lutjanus cyanopterus), dourado-  do- mar (Coryphaena hippurus), cavala (Scomberomorus cavalla), garoupa (Epinephelus marginatus), agulhão-negro/espadarte (Xiphias gladius), marlim-  azul (Makaira nigricans), olhete (Seriola lalandi), olho-de-boi (Seriola dumerilli), peixe-espada (Trichiurus lepturus), barracuda (Sphyraena barracuda), pescada-amarela (Cynocyon aculpa), robalo-peva (Centropomus paralelus), tarpão (Pirapema megalops atlanticus), ubarana (Elops saurus), robalo-flecha (Centropomus undecimalis), agulhão-de-vela (Istiophorus albicans), entre outros.

Precisa de ajuda
Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação. Ao navegar neste site, você concorda com o uso de cookies.